Comerciários vivem expectativa de maior valorização da categoria

A data de 30 de outubro marca a homenagem a um do ramos profissionais mais importantes para a economia brasileira e que envolve um dos maiores contingentes de trabalhadores do país. O Dia dos Comerciários, celebrado nesta segunda-feira (30), foi criado depois que uma determinação do então presidente da República, Getúlio Vargas, reduziu a carga horária da categoria de 12 horas diárias para 8 horas, em 30 de outubro de 1932.

A decisão, que acabou beneficiando também profissionais de outros setores, foi um marco histórico para os comerciários, hoje considerados um dos propulsores do desenvolvimento econômico no país. “O comerciário é um agente fundamental para a irrigação da economia. Se não tem comércio, não tem consumo, nem transformação, e a produção fica represada, gerando a crise", afirma o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que trabalhou como comerciário em Carazinho (RS), sua cidade natal, na década de 1980.

A importância do comerciário na economia brasileira pode ser sentida pelo número de trabalhadores envolvidos nas atividades do setor. A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC) conta hoje com 25 federações filiadas e mais de 800 sindicatos vinculados, representando 12 milhões de trabalhadores no comércio e serviços em todo o país.

Regulamentação - Em março de 2013, a profissão foi regulamentada pela Lei nº 12.790, que reconheceu a importância política, social e econômica da categoria comerciária. Passando a ter direitos, benefícios e segurança jurídica comuns a outras profissões, a atividade deixou de ser uma simples função e passou a ser uma profissão.

O comerciário atua como empregado em estabelecimentos comerciais dos mais diversos ramos. De álcool e bebidas em geral a distribuidora de produtos siderúrgicos, passando pelo comércio de bijuterias, gêneros alimentícios, máquinas, materiais de construção, tecidos, material de escritório e papelaria em geral – enfim, de feiras livres a lojas de shoppings ou de ruas, o vendedor, caixa, promotor, estoquista ou gerente de um estabelecimento comercial tem importância fundamental na economia brasileira.

Os setores de Comércio e Serviços respondem por mais da metade do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, aproximadamente 55%, o que implica também uma alta participação no total de empregos do mercado de trabalho.

Empregos – Segundo a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2016, divulgada neste mês de outubro pelo Ministério do Trabalho, na série de 2010 a 2016 houve um crescimento relativo e absoluto dos setores de Comércio e Serviços como principais empregadores. Juntos, eles ampliaram sua participação de 51,6% (2010) para 56,4% (2016), um incremento da ordem de 3,2 milhões de empregos no período. Segundo a Rais, o Brasil tinha 16,70 milhões de empregados formais em Serviços e 9,6 milhões no Comércio, em dezembro de 2016.

Os trabalhadores do comércio também estão encontrando uma nova realidade no mercado de trabalho, após os dois anos de crise de emprego que o país enfrentou. O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) apontou o Comércio como o segundo maior destaque no mês de setembro, com crescimento do emprego e saldo positivo de 15.040 postos de trabalho. Esse resultado refletiu o desempenho dos subsetores do Comércio Varejista (com saldo de +13.174 postos) e do Comércio Atacadista (+1.866 empregos).

Diante da retomada do crescimento econômico, a expectativa é de que a categoria seja cada dia mais valorizada. Segundo o ministro Ronaldo Nogueira, os comerciários são fundamentais para o sucesso de qualquer estabelecimento comercial, dando a cara e o jeito de uma empresa ou de uma marca no contato com os clientes e em todo o processo até que o produto ou serviço chegue ao consumidor final. “Se antes a atividade de comerciário podia ser vista por alguns como uma saída para quem não conquistou outra colocação profissional, hoje ser comerciário é uma escolha consciente, que pode levar ao reconhecimento e à conquista de metas e de satisfação na vida profissional”, enfatiza o ministro Ronaldo Nogueira.

 

Fonte: Ministério do Trabalho

FECEP - Federação dos Empregados no Comércio do Estado do Paraná

Endereço: R. Mal. Hermes, 910 - Centro Cívico

Telefone: (41) 3352-2754 - Fax: (41) 3252-3121